Outro dia, tive a felicidade de escutar “O que é? O que é? ”, uma música de Gonzaguinha. É uma música que fala sobre o aprendizado do viver, me cativa e emociona, pois suas indagações me fazem refletir. De súbito, me vieram à cabeça várias citações de outros autores sobre a vida, que me pus a colocar no papel, e deu nisso aí…

 Em certos momentos ficamos pessimistas diante da vida, chegamos a pensar que a “vida é uma doença sexualmente transmissível”, ” a vida nada mais é do que a competição para ser o carrasco em vez da vítima”, a “vida é como comer alcachofra, você tem que passar por tanta coisa para ter acesso a tão pouca coisa” ou “a vida é uma história contada por um louco com significado de extremo vazio”. Então nos perguntamos, por que estamos aqui, “se a vida vale a pena? Esta é uma questão para um embrião, não para um ser humano”.  Mas estamos aqui, temos algo a sonhar e a realizar, como a solidariedade, a compaixão, a fé, a coragem de ousar e a capacidade de perdoar. “A vida pode ser compreendida olhando-se para trás, mas deve ser vivida olhando-se para frente”, “a vida é algo que acontece enquanto estamos ocupados fazendo outros planos” ou melhor “a morte é mais universal do que a vida, todos morrem mas nem todos vivem” pois a “vida é uma longa lição de humildade”, não somos eternos , aliás “as únicas coisas eternas são as nuvens” e somos frágeis, pois “quando não estamos seguros, estamos vivos”, “a segurança é a inimiga maior dos mortais”, pois “a vida é um descuido no prosseguir” e a “tragédia maior da vida não é tanto o que o ser humano sofre, mas aquilo que ele deixa de fazer”. “Se a análise da vida é pessimista, as ações devem ser otimistas”, pois a vida nasce do caos, da atitude de recomeçar e “a vida é plural, só a morte é singular” e finalmente “em duas palavras posso resumir tudo que aprendi sobre a vida: ela continua” e se me perguntarem o que é a vida, “eu fico com a pureza da resposta das crianças: a vida é bonita, é bonita, é bonita…”                  

Observação: As citações em itálico presentes no texto foram extraídas de textos, livros e outros de diversos autores conhecidos e desconhecidos.

Autor:  Dr. Luiz Octavio D’Almeida

Reumatologista da SRRJ