A mão fechada com o indicador e o dedo mínimo esticados é o maior símbolo relacionado a esse gênero musical, e em todo o mundo não há quem não o reconheça como marca registrada do rock’n roll.

É o sinal dos chifres (“devil’s horns”), muitas vezes atribuído a práticas satanistas e de adoradores do diabo, mas que originalmente tem raízes na cultura oriental, e quer dizer exatamente o contrário: serve para afastar maus espíritos e energias.

Embora ainda exista muita controvérsia, quem primeiro popularizou o gesto foi Ronnie James Dio, em suas apresentações com o Black Sabbath, a partir de 1979, quando substituiu Ozzy Osbourne nos vocais da banda.

Depois dele muitos outros astros de rock passaram a usar o sinal, que ficou mundialmente conhecido (que outro gênero musical pode dizer que tem um símbolo gestual só seu?), e tanto que recentemente o baixista do Kiss, Gene Simmons, moveu processo legal pedindo direitos de marca sobre o gesto, que utilizava com uma variante, o dedo polegar também esticado. Segundo o líder da banda americana conhecida pelas famosas pinturas faciais, ele teria usado o símbolo pela primeira vez em novembro de 1974. Felizmente Simmons desistiu do processo pouco tempo depois, e símbolo continua propriedade de todos os amantes do bom, velho e (por que não?) novo rock’n roll.

O Rock´in Rio, um dos maiores festivais de rock do mundo, é realizado a cada 2 anos na Cidade do Rock, na Barra da Tijuca. A última edição foi em 2017, quando pudemos assistir a grandes nomes nacionais e internacionais do gênero

O dia internacional do Rock é comemorado todo dia 13 de julho.

Autora: Ingrid Bandeira Moss

Reumatologista da SRRJ