O Lúpus Eritematoso Cutâneo (LEC) é uma doença autoimune que tem três principais formas de apresentação, a aguda, a subaguda e a crônica. Esta última pode ser subdividida na dependência de características clínicas, histopatológicas e alterações laboratoriais. Essa forma crônica pode ser uma manifestação cutânea do Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES).

Este trabalho teve como objetivos descrever a epidemiologia do LEC e seus subtipos na Dinamarca, investigar a probabilidade de receber um diagnóstico posterior de LES e o curso de tempo relacionado.

Um estudo coorte com base no registro de âmbito nacional realizado na Dinamarca com dados do registro nacional dinamarquês de pacientes, de 1998 a 2013, utilizando a Classificação Internacional de Doenças, revisão 10 (CID 10). Foram encontrados 2.380 pacientes com LEC. A taxa de incidência anual do LEC foi de 2,74/100.000, com uma relação entre os sexos quatro vezes maior no sexo feminino. Durante o acompanhamento de 12.047 pacientes por ano, 8 % foram diagnosticados com LES. A probabilidade de receber um diagnóstico posterior de LES foi de 12.9% após 10 anos, tendo a morte como um risco competitivo, e a probabilidade foi maior entre as pacientes do sexo feminino com LEC subagudo. O tempo médio até o diagnóstico de LES foi de 2,05 anos.

Os autores concluíram que apesar de terem observado que a taxa anual de incidência do LEC e o risco de receber um diagnóstico adicional de LES ser menor do que o descrito anteriormente, a monitorização contínua e a informação para os pacientes com LEC é importante devido ao risco inerente de desenvolver LES.

Referência: M Prütz Petersen et al. Lupus (2018)27,1424-1430

 

Autor: Dr. Carlos P. Capistrano

Reumatologista da SRRJ