O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença que está associada à inflamação multissistêmica como resultado de uma alteração imunológica, podendo afetar a pele, sistema nervoso, coração, pulmões, rins, sistema musculoesquelético e outros órgãos. Pacientes com LES relatam altos níveis de dificuldades cognitivas, depressão, dor e fadiga, sendo que mais de 80% desses pacientes experimentam fadiga e até 90% experimentam dor em algum momento durante o curso da doença. Distúrbios psicológicos também são comuns em pacientes com LES. Embora os tratamentos farmacológicos tenham melhorado a sobrevida global, o LES continua a ter um profundo impacto na qualidade de vida. Apesar de várias novas terapias, existem necessidades que precisam ser abordadas, como fadiga, dor e gerenciamento de sintomas psicológicos. Nestes casos, as terapias não farmacológicas têm sido consideradas potencialmente benéficas para estes pacientes.

Este estudo realizou uma revisão bibliográfica onde foram incluídos ensaios clínicos randomizados de terapias não farmacológicas. O LES foi definido pelos critérios de 1982 ou 1997 do American College of Rheumatology. Os estudos foram resumidos e separados pelos resultados relatados pelo paciente e a atividade de doença. Devido à heterogeneidade de intervenções e comparações, uma meta-análise não foi realizada.

Um total de 846 participantes, em 15 ensaios clínicos randomizados, preencheram os critérios de inclusão. Destes ensaios, oito utilizaram intervenções com exercícios, seis usaram intervenções psicológicas e uma usou a eletro-acupuntura. Em comparação com os grupos de controle, as intervenções não farmacológicas foram associadas a uma melhora significativa na fadiga em três dos seis estudos. Três dos oito estudos relataram melhora na ansiedade e da depressão, e um estudo relatou melhora da dor após as intervenções. Pelo menos sete dos 11 estudos relataram melhora geral na qualidade de vida. É importante salientar que nenhum estudo demonstrou uma melhora na atividade de doença.

Os autores concluíram que esta revisão mostrou resultados promissores para o exercício físico e intervenções psicológicas, mas como adjuvantes da terapia medicamentosa tradicional, e apenas para melhora da fadiga, depressão, dor e qualidade de vida do LES. Porém muitos estudos tiveram tamanhos amostrais pequenos e intervenção de curta duração. Por este motivo, mais estudos randomizados, controlados e com períodos de acompanhamento mais longos são necessários.

 

Referência: M Fangtham, et al. Lupus (2019)0, 1-10

 

Autor: Dr. Carlos P. Capistrano

Reumatologista da SRRJ