O QUE É O REUMATISMO

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 2000 – 2010 é a “Década do osso e da Articulação”. Estima-se que existam no Brasil mais de 15 milhões de pessoas acometidas por doenças reumáticas, acarretanto, além de um sofrimento pessoal, uma grande sobrecarga socio-econômica para o país.

As doenças reumáticas estão entre as principais causas de incapacidade física e afastamento temporário ou definitivo do trabalho. Muitos não sabem mas o reumatologista é o médico clínico, especializado no diagnóstico e tratamento das doenças que acometem os ossos e as articulações, replicas relogios rolex popularmente conhecidas como “reumatismos”. Os tipos mais conhecidos de reumatismo são: a artrose; diversas formas de artrite, algumas acometendo inclusive crianças; a gota, doença causada pelo excesso de ácido úrico, a osteoporose; a fibromialgia; a síndrome de Sjögren, caracterizada dentre outras queixas pela presença de olhos e boca seca; a febre reumática; as doenças autoimunes, como o lúpus eritematoso sistêmico; as tendinites e bursites e diversas doenças que acometem a coluna vertebral.

É importante chamar a atenção da população para o fato de que existem mais de cem tipos diferentes de doenças reumáticas. Portanto, para que o tratamento de um tipo específico de reumatismo tenha sucesso, primeiro é necessário um diagnóstico correto do problema apresentado pelo paciente.

A Sociedade de Reumatologia do Rio de Janeiro coloca-se à disposição da população para esclarecer ou informar sobre assuntos relacionados às doenças osteoarticulares. Para entrar em contato conosco utilize o Tel/Fax (021) 549-4114, ou clique aqui para enviar sua mensagem.

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

O reumatismo não é uma doença, mas sim um termo genérico que se refere às doenças que acometem as articulações (“juntas”), i.e., às doenças reumáticas.
Existem cerca 120 formas de doenças reumáticas (“reumatismos”). As doenças reumáticas podem ser agrupadas em doenças degenerativas, inflamatórias, auto-imunes, infecciosas, metabólicas e pós-traumáticas. É importante que o paciente saiba o nome de sua doença (tendinite, artrite reumatóide, lúpus, osteoartrose, etc).
Doença reumática causada pela degeneração (desgaste) das estruturas da articulação. Por exemplo, a osteoartrite (artrose) é decorrente da degeneração da cartilagem articular, que é um dos componentes da articulação.
Doença reumática causada pela invasão de microorganismos (bactérias) no interior da articulação. É considerada uma emergência na prática médica do reumatologista. São exemplos de artrite infecciosa, a artrite bacteriana e artrite por tuberculose.
Doença reumática causada por um distúrbio metabólico. O principal exemplo é a gota, doença em que há formação de depósitos de ácido úrico nas articulações e tendões, em razão de uma alteração do metabolismo dessa substância.
Doença reumática que se caracteriza por uma inflamação das estruturas periarticulares (vizinhas da articulação) como é o caso dos tendões, ligamentos e cápsula. Essa inflamação é causada, em geral, por um esforço muscular excessivo ou movimentos de repetição no trabalho. Um exemplo característico é a tendinite, que pode ocorrer em decorrência da prática esportiva ou do trabalho de digitação de computador.
O sistema imune foi criado pela natureza para nos proteger de infecções sendo formado por uma rede de órgão, tecidos e células especializadas em nossa defesa. Estas células chamadas linfócitos produzem uma proteína chamada anticorpo, um verdadeiro “míssil” que persegue e atinge o agente invasor ligando-se a ele e defendendo a integridade do nosso organismo. Normalmente os anticorpos são produzidos para dar proteção ao nosso corpo, porém nem sempre isto acontece. Algumas vezes ocorre um desequilíbrio, uma perda da regulação dos linfócitos, e o sistema imune ataca o próprio organismo promovendo uma inflamação que pode danificar vários órgãos. As doenças nas quais o sistema imune promove lesões no próprio organismo chamam-se doenças auto-imunes como a artrite reumatóide, o lúpus, a esclerodermia, etc
Não. Várias doenças podem causar dores articulares, por exemplo, a gripe, a dengue, o hipotiroidismo.
Depende da doença, muitas podem demorar anos até se conseguir um diagnóstico específico. O importante é saber que mesmo essas condições podem ser tratadas.
Sim, criança pode ter reumatismo. Reumatismo é um termo genérico que se dá às doenças que provocam inflamação.
Em nosso meio, o reumatismo mais comum é a febre reumática, mas outros como as artrites crônicas, mis raramente o lupus, a dermatomiosite e a esclerodermia podem ocorrer.
Sempre que uma criança se queixa com freqüência de dores em membros ou tem algum sintoma que a impeça de brincar como as outras crianças ou seja notado que a criança está mancando, ela deve ser levada ao médico. O pediatra saberá se ela merece a avaliação de um especialista como o reumatologista pediátrico.
É o nome dado ao reumatismo que ocorre como complicação de uma infecção de garganta. Pode causar dores nas juntas, problemas cardíacos e no sistema nervoso.
A Febre reumática é mais comum na idade compreendida entre 5 e 15 anos e pode ocorrer em qualquer criança que seja sensível a essa bactéria. O tratamento precoce e adequado das amigdalites (infecções de garganta) pode impedir o aparecimento da febre reumática. Por isso é tão importante levar a criança ao médico quando ela apresenta dor de garganta, pois só ele saberá se deve ou não ser dado antibiótico. O não tratamento pode precipitar a doença.
Não, ela não é hereditária, mas as pessoas da família de uma criança com febre reumática têm uma chance maior de apresentarem algum reumatismo. É comum que existam outras pessoas com febre reumática na família de uma criança com a doença.
São doenças de causas desconhecidas que afetam a coluna, embora outras articulações (juntas) e outros órgãos possam estar envolvidos. Caracterizam-se pela ausência do Fator Reumatóide, por isso são chamadas seronegativas. Além disso, possuem outros pontos em comum: dor lombar inflamatória (a dor piora com o repouso, melhorando com o movimento), artrite em grandes juntas (tornozelos, joelhos…), dor no tendão de Aquiles, inflamação nos olhos (uveíte), na pele ou mucosas. As principais doenças desse grupo são a Espondilite Anquilosante, a Artrite Psoriásica, a Artrite Reativa (síndrome de Reiter) e as doenças inflamatórias intestinais.
Atualmente, o termo síndrome de Reiter vem sendo substituído por Artrite Reativa. Caracteriza-se por artrite (inchaço, dor e vermelhidão da junta) em algumas juntas (2 ou3), incluindo a sacro-ilíaca (dor piora ao deitar-se, melhorando durante o movimento), associada a conjuntivite e infecção da urina ou diarréia infecciosa. Pode apresentar lesões na pele/mucosas (glande, vulva e planta dos pés). O tratamento deve ser realizado por um REUMATOLOGISTA e inclui antiinflamatórios e outras drogas, bem como fisioterapia.
A ERITROMERALGIA caracteriza-se por dor e/ou formigamento, acompanhadas de vermelhidão nas extremidades (mãos/pés). Podem ocorrer ulcerações e aumento do suor no local. Pode ser de origem genética, sendo, quase sempre simétrica, em geral, em pessoas mais jovens ou associar-se a outras doenças (artrite reumatóide, gota, diabetes…). Aspirina e antagonistas da serotonina podem ser usados nos tratamento.
O termo “esporão” do calcâneo é utilizado de forma popular para descrever a FASCIITE PLANTAR CALCIFICADA (termo correto). É uma inflamação da “sola” (planta) do pé, em geral no calcanhar, mas pode ocorrer em toda a superfície plantar. Quando esse processo torna-se crônico, pode ter depósito de cálcio (calcificação). Assim sendo, não é a calcificação que leva à dor, mas sim, o oposto, a dor crônica (sintoma de inflamação crônica) leva à calcificação. A radiografia simples do calcâneo é o exame usado para sua detecção. O tratamento inclui a mudança do fator causal (excesso de peso, deformidades no pé), bem como o uso de palmilhas anti-impacto (“calcanheira”), antiinflamatórios, infiltrações locais e fisioterapia (gelo local, US)
Os sons produzidos nas juntas podem ser por deslizamento do tendão/ligamento sobre a articulação (estalo), onde não há significado clínico (normal) ou por desgaste da cartilagem (crepitação), como é visto na “artrose” . É importante lembrar que esta não ocorre somente em idosos, podendo ocorrer em individuos mais jovens, principalmente se houver algum traumatismo ou frouxidão ligamentar prévios. É preciso ressaltar que ficar em locais frios (cinema) ou parado na mesma posição por algum tempo pode produzir esses sons, sem estar relacionado com algum distúrbio ligamentar. Entretanto, se isto estiver causando algum transtorno, deve-se procurar um REUMATOLOGISTA para uma melhor avaliação, pois podem ser indicados alguns exercícios para fortalecimento muscular, a fim de obter-se uma maior estabilidade da junta.
As principais causas de dores nos joelhos são: “artrose”, distúrbio ligamentar, tendinite, bursite e lesão do menisco. As últimas, em geral, são provocadas por traumas (“rotação do joelho com o pé parado”), caracterizando-se por dor e inchaço que aparecem algumas horas após o trauma. As tendinites/bursites são provocadas por trauma ou por esforço físico e apresentam dor localizada, principalmente após um esforço. A frouxidão ligamentar pode ocorrer desde a infancia e caracteriza-se por dor aos exercícios, podendo ter inchaço ou não. A osteoartrite (artrose) pode ser devido à obesidade, trauma ou outras causas. Caracteriza-se por inchaço, calor e dor, sendo tratada com antiinflamatórios, fisioterapia e outras medicações.
Caracteriza-se por dor e inchaço (tumefação) no toráx anterior (próximo ao esterno). As causas da síndrome ainda são desconhecidas. Em aproximadamente 80% dos casos a lesão é única, tendo remissão(cura) espontânea (meses ou anos). Pode ser aguda, intermitente ou crônica. Apesar de não serem muito úteis para o diagnóstico, as radiografias de tórax devem ser solicitadas para descartar outras hipóteses diagnósticas. Em geral, os exames laboratoriais (sangue, urina…) são normais. Os pacientes com sintomas persistentes devem ser acompanhados por reumatologistas para uso de antiinflamatórios e/ou infiltrações locais, bem como aplicação de calor ou gelo locais.
É a inflamação na articulação (junta), sendo caracterizada por dores acompanhadas de calor (aumento da temperatura), rubor (vermelhidão), edema (“inchaço”), rigidez matinal (junta “dura” pela manhã) e impotência funcional (dificuldade de movimentar). Pode ser chamada de omega replicas monoartrite, quando ocorre em somente uma articulação, e poliartrite, quando em várias articulações.
Significa dor muscular, a qual pode ser generalizada ou localizada.
Não. Os pacientes que têm algum tipo de doença reumática não devem aceitar esse tipo de afirmação, pois a medicina avançou muito sob o ponto de vista dos métodos diagnósticos e terapêuticos. O importante é o paciente procurar o Reumatologista a fim de determinar o diagnóstico correto de sua doença, bem como receber informações sobre a mesma e tratamento eficaz para o seu problema.
Sem dúvida nenhuma, é o exame clínico do paciente (anamnese e exame físico). O exame clínico proporciona o diagnóstico correto das doenças reumáticas em cerca de 80% das ocasiões, deixando os exames complementares (laboratoriais, radiológicos,etc) para a confirmação.
Determinado grupo de medicamentos que têm a finalidade de combater a inflamação. A sua aplicação na Reumatologia é de fundamental importância, pois alivia a principal queixa do paciente portador de doença reumática que é a artrite. A sua prescrição deve ser orientada pelo reumatologista, pois estas medicações apresentam diversos efeitos colaterais (indesejáveis) tais como, gastrite, úlcera de estômago, hipertensão arterial, hemorragia gástrica, insuficiência no funcionamento dos rins, alergia na pele, etc.
Também denominados de corticóide ou corticosteróide é um determinado grupo de medicamentos que tem a ação principal em combater a inflamação de forma mais eficaz que os antiinflamatórios em geral. No entanto, a sua prescrição deve ser feita e supervisionada pelo Reumatologista, pois estas medicações apresentam diversos efeitos colaterais (indesejáveis) tais como, gastrite, úlcera de estômago, hemorragia de estômago, hipertensão arterial, inchação (edema) e obesidade, estrias, diabetes mellitus, catarata, glaucoma, osteoporose, distúrbios psiquiátricos, etc.
A paciente grávida portadora de algum tipo de doença reumática que necessite iniciar ou manter alguma medicação anti-reumática, necessita obrigatoriamente uma avaliação do seu reumatologista com a finalidade de determinar a melhor opção de tratamento sem colocar em risco o desenvolvimento de embrião/feto.
A decisão de interromper a medicação anti-reumática depende do tipo da medicação utilizada e a sua dosagem, sendo que a avaliação do reumatologista é de fundamental importância.
É aconselhável a todo paciente portador de doença reumática uma dieta racional e balanceada que ofereça energia para a realização das suas atividades diárias (andar, trabalhar, fazer fisioterapia, se vestir, lazer, etc). Deve também ser evitado o ganho de peso com a finalidade de não sobrecarregar as articulações.
Não. As doenças reumáticas podem surgir em qualquer idade.

 

Caso sua dúvida não tenha sido esclarecida, entre em contato com a nossa Sociedade.